Porto Seco Centro Oeste
Postado em: Clipping
2018-02-20 09:52:00 -0300

Argentina pressiona, mas importação de carros brasileiros não recua
O esforço da Argentina para reduzir a entrada de carros brasileiros tem se mostrado em vão.


A importação de veículos do Brasil feita pelas montadoras instaladas no país vizinho – que tem ajudado as fabricantes locais a ampliarem a produção – permanece acima dos limites estabelecidos em acordo comercial entre os dois países, o que pode resultar em multas. O descumprimento da regra ocorre mesmo após o governo argentino ter anunciado, sete meses atrás, que exigiria das montadoras responsáveis pelo excesso o depósito de garantias equivalentes às multas que, se confirmadas, deverão ser pagas após o fim do acordo, em 2020.

Pelo acordo, para cada US$ 1 que a Argentina exporta para o mercado brasileiro em veículos e autopeças, o Brasil pode exportar US$ 1,5 para lá. É o que os dois governos chamam de “flex” (ver quadro). Essa proporção, no entanto, chegou a US$ 1,85 em 2016 e a US$ 2,34 no ano passado. Mesmo após o alerta do presidente Mauricio Macri, de pedir garantias do pagamento de eventuais multas, a balança manteve o desequilíbrio. De julho de 2017 a janeiro deste ano o flex ficou em US$ 2,19. A explicação é que, nesse período, enquanto o Brasil começava a se recuperar da pior crise de sua história – que derrubou as vendas de carros à metade, – a Argentina seguia com seu mercado a todo vapor, com vendas de 883 mil unidades no ano passado, 22,5% a mais que em 2016. Boa parte da demanda foi atendida pelos carros fabricados no Brasil, pois a produção ficou estável, em 472 mil unidades, segundo a associação das montadoras argentinas (Adefa). Talvez seja isso que tenha colocado Macri em alerta.

O Brasil, por outro lado, aumentou sua produção em 25% no ano passado, e as exportações cresceram 46,5%, para 762 mil unidades, mais da metade destinada ao país vizinho. “Tudo indica que o Brasil, embora deva manter suas exportações em alta, também vai importar mais este ano, especialmente o setor automotivo, em razão da recuperação econômica”, diz José Augusto de Castro, presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB). As montadoras argentinas terão de depositar o equivalente a 24,5% do valor excedente importado. Segundo analistas, por se tratar de empresas do mesmo grupo, é possível que as marcas instaladas no Brasil possam colaborar com eventuais multas. Não foi divulgado, por enquanto, valores e prazos para o depósito das garantias. Pressão.

O Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic) reforçou ontem que a aferição das cotas é prevista para ocorrer no fim do acordo e que o governo entende que, com a retomada do crescimento da economia brasileira, a tendência é de aumento das importações de produtos argentinos, reduzindo a pressão existente hoje. “Acreditamos que, em 2020, o índice estará dentro do acordado, com aumento do comércio bilateral, com consequente incremento da integração produtiva”, avalia o secretário de Desenvolvimento e Competitividade Industrial do Mdic, Igor Calvet. Na opinião do presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Antonio Megale, a proporção do flex não deverá subir mais, uma vez que o mercado brasileiro voltou a crescer.

“A tendência é que o flex se estabilize, para depois voltar a cair”, diz. Megale lembra que o acordo prevê que o flex suba de 1,5 para 1,7 a partir de julho de 2019, o que facilitará o equilíbrio comercial entre os dois países. As montadoras têm anunciado investimentos na Argentina para produzir modelos que terão o Brasil como importante cliente, outra medida que ajudará o setor a cumprir o acordo. A Fiat investiu US$ 500 milhões para produzir o sedã Cronos, apresentado na semana passada. A Volkswagen fará aporte de US$ 650 milhões para a produção um utilitário esportivo e a GM vai investir US$ 500 milhões em “um carro global de alto valor agregado”. O déficit comercial argentino com o mundo foi recorde no ano passado, de US$ 8,4 bilhões, o que acendeu o alarme no governo Macri.

O Brasil responde por US$ 4,6 bilhões desse valor. “Não vejo uma medida contra o Brasil, mas uma reação contra um déficit comercial elevadíssimo com o mundo”, diz o economista Marcelo Elizondo. Os carros feitos no Brasil são os mais baratos à venda na Argentina.

O país importa modelos pequenos enquanto produz modelos maiores. “Há mais complementaridade do que concorrência no setor”. Para o secretário da Indústria da Argentina, Martín Etchegoyen, o acordo assinado entre os dois países em 2016 é equilibrado para ambas as partes. Ele defende a aplicação da garantia de pagamento de eventuais multas prevista no acordo. “É uma espécie de pagamento antecipado de exportações que terão de ocorrer mais adiante para cumprir o acordo”. A Associação de Fabricantes de Automotores da Argentina (Adefa) não comentou o assunto.

Fonte: NTC & Logística

Portotv 0fbafd71f7210244bbd78ace6963860d645aa15fcb7bb925d4ffd04563c62cbb
Institutional Video

Tempo no Porto

25º C
Temperatura 172f3aa66012f344cd044c2fd8e6275b982232e35d680e85ec19ea90c8175c32
Umidade do Ar: 60%
Sensação Térmica: 21º C
Velocidade do Vento: 11 Km/h
Máx Rajada de Vento: 17 Km/h
Fonte: Estação Meteorológica localizada no Porto Seco Centro Oeste.
Tempo no Porto
Temperatura 172f3aa66012f344cd044c2fd8e6275b982232e35d680e85ec19ea90c8175c32
Confira as Máximas e Mínimas de hoje
  Mínima Média Máxima
Temperatura:
25º C 26º C 26º C
Umidade do Ar:
25% 58% 60%
Sensação Térmica
21º C 22º C 22º C
Velocidade do Vento:
11 Km/h 15 Km/h 18 Km/h
Fonte: Estação Meteorológica localizada no Porto Seco Centro Oeste.